Zezé Motta lança CD “O samba mandou me chamar” no Centro Cultural João Nogueira

Foto: Divulgação

A atriz e cantora Zezé Motta lança o CD “O samba mandou me chamar” no projeto Quartas Brasileiras, no dia 20 de junho, às 16h, no Centro Cultural João Nogueira – Imperator, no Méier. Foi ela que estreou o projeto em março de 2015, cantando Luiz Melodia e outras feras da MPB. E se ela deu sorte ao Quartas Brasileiras, agora será a vez de o projeto ser o amuleto da artista nesta nova fase da carreira. Justamente agora que Zezé volta para o samba.

O samba faz parte da vida da artista desde que ela gravou “Senhora Liberdade”, de Wilson Moreira e Nei Lopes, no LP “Negritude”, de 1979, quando seu talento de atriz transformou a canção em um hino à liberdade pungente e único.

Inicialmente, Zezé Motta resistiu ao gênero porque não queria o rótulo de sambista. Ela queria djavanear, caetanear e gravar os mil tons de Milton Nascimento, de Gilberto Gil e de muitos outros artistas que não faziam apenas samba. Sem falar na carreira artística no cinema, no teatro e na TV, que ajudaram a compor essa artista multifacetada.

Mas, volta e meia, o samba batia à sua porta. Foi assim numa feira em Hannover, na Alemanha, onde um patrocinador pediu para que ela incluísse sambas no repertório.

Foi assim também que Zezé foi parar numa feijoada no Teatro Rival, com o intuito de gravar compositores bambas. Vários deles estiveram presentes apresentando seus sambas, como Sérgio Procópio, Nelson Sargento, Darcy Maravilha, Serginho Meriti e Marquinhos PQD. Os craques que não puderam comparecer mandaram suas composições depois. Caso de Arlindo Cruz, Lourenço
e Zé Renato. Foram gravadas 200 canções durante o evento. Era a semente de um sonho que demorou anos para frutificar.

Hoje, uma década depois, o sonho se tornou realidade: o CD “O samba mandou me chamar”, que Zezé está, finalmente, lançando, sob a regência do Maestro Celso Santana, produção Karina Alaor, coprodução de Christiano Moreno e realização do selo Coqueiro Verde e da agência Montenegro e Raman.

Entre os sambas de compositores contemporâneos, há também o clássico “Louco (Ela é seu mundo)”, de Wilson Batista e Henrique de Almeida. Prova de que Zezé Motta é mesmo a tal “Senhora liberdade”, que passeia, com total desenvoltura, por sambas de todos os tempos.

 

Serviço

Projeto Quartas Brasileiras

Zezé Motta no show “O samba mandou me chamar”

Dia: 20 de junho de 2018 (quarta-feira)

Horário: 16 horas

Local: Imperator – Centro Cultural João Nogueira

Endereço: Rua Dias da Cruz 170, Méier. Tel: 2597-3897

Classificação etária: Livre

Ingressos: R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia)

Lotação da casa: 724

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: