Coordenadoria da Prefeitura do Rio recria o projeto “Damas” para a inserção social dos transgêneros na sociedade

Foto divulgação: Rafael Gomes/ CEDS-RJ

Os travestis e transexuais no Brasil não podem estar relacionados à prostituição, criminalidade e marginalidade. Na sociedade atual,  precisam ser vistos como iguais, pois possuem necessidades como qualquer cidadão. Precisam trabalhar para suprirem suas necessidades e sobreviver nesta selva de pedra. Mas nem sempre é fácil encontrar emprego, pois ainda sofrem preconceito em pleno ano de 2017. Por isso na maioria das vezes acabam se entregando ao trabalho informal ou alguns acabam sendo obrigados a se prostituir para se manter financeiramente. Neste domingo, 29, foi comemorado o dia da visibilidade trans, uma busca para a inserção social dos transgêneros na sociedade.

A nova gestão da Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual (CEDS-RJ) da Prefeitura do Rio de Janeiro recriou o “Projeto Damas”, que tem como meta recolocar profissionais trans, no mercado de trabalho. Sejam socialmente mulheres travestis, ou transexuais que, por razão do preconceito, são postas à margem da sociedade e excluídas como cidadãs.  O Decreto Municipal 33816/11 dispõe sobre a inclusão e uso do nome social de pessoas travestis e transexuais no âmbito da administração direta e indireta. Beatriz Cordeiro, supervisora do projeto explica que pretendem ampliar os currículos dessas pessoas com cursos de ouvidoria e gestão administrativa, e ainda pretendem buscar uma aproximação com universidades e escolas técnicas.  A supervisora já se submeteu à cirurgia de transgenitalização e à requalificação civil, afirma que são contribuintes, eleitoras, trabalhadoras, empreendedoras, filhas, filhos, irmãs e irmãos.  “É preciso ser funcional. E para isso, devemos melhorar”, conclui.  

Foto divulgação: Rafael Gomes/ CEDS-RJ

Nélio Georgini, coordenador especial da diversidade Sexual do Rio, CEDS-Rio, diz que é preciso vencer as resistências, estimular os talentos, de empreendedoras, de profissionais dispostos a mostrar seu valor para a sociedade e, e muitas vezes, para si mesmos. Ele ainda explica que com a ajuda das secretarias de saúde, educação e assistência Social, cidadãos trans têm acesso ao programa de atenção básica primária de saúde, porta de entrada para qualquer tratamento via Sistema Único de Saúde (SUS) e oportunidade de estudar. Juntas, essas secretarias compõem o cronograma de aulas do Damas.  “Significaremos a inclusão daqueles que estão em busca do seu direito de ser feliz”, conclui Nélio.

Revista InFoco

Revista In Foco. Uma revista que vai te deixar informado sobre tudo que esta acontecendo na cidade do Rio de Janeiro.

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: