Professor Barillari dá dicas para economizar na volta às aulas

Grupo de compras coletivas é sugestão para conseguir maiores descontos 

 

Prof. Lauro Barillari
Foto: Rodolfo Walter

O desafio da compra do material escolar é mais um item numa relação que consta entre as cobranças IPTU, IPVA neste início de ano. O professor de Economia do Centro Universitário Uniabeu, Lauro Barillari, conta que os materiais escolares são campeões de venda neste período e pesam no orçamento familiar, podem variar entre R$ 200 a R$1.500. 

O professor explica que, segundo pesquisa do PROCON, os preços subiram em média 13%, o dobro da inflação acumulada no ano, “pesquisar preços é fundamental”, complementa. Na opinião de Lauro, os impostos excessivos para o material escolar representam cerca de 47% do preço de venda, e o dólar alto ajudou a elevar o preço dos importados, como mochilas, estojos e acessórios entre 20% e 30%.  Ele diz que para economizar é necessário pesquisar em diversas lojas.  “Em geral, a compra em um lugar só não é recomendada, mas é necessário somar os valores e negociar desconto sobre o total. O pagamento à vista, neste caso, ajuda bastante”, afirma. 

Outra dica importante do professor é escolher produtos sem marca licenciada, porque estes produtos costumam ser bem mais caros. “Busque similares ou substitutos que podem gerar economia na ordem de 50% para o bolso e oferecer o mesmo benefício”, ensina. Ele ainda explica que ferramentas de busca virtual são cruciais nesta etapa, principalmente para os itens de maior valor. Chama a atenção para a questão do frete de produtos mais baratos e recomenda andar pelo comércio e procurar intensamente nas lojas físicas.

Foto: Google reutilizável

Com a crise, grupos de pais e instituições de ensino estão inovando, utilizando os princípios da economia solidária e a criatividade para reduzir impactos da volta às aulas no orçamento familiar. Iniciativas como a promoção de pequenas feiras de trocas de materiais, estimulando o reuso e a sobrevida, estão sendo muito bem sucedidas. De acordo com o professor da Uniabeu, além das trocas, podem ser feitas vendas de usados ou doações de materiais utilizados no período anterior. 

“Outra oportunidade em alta é a criação de grupos para compras coletivas com objetivo de obter maiores descontos e condições de financiamento dos materiais. Algumas escolas já estão mobilizando os pais e colaborando com estas iniciativas que podem ser feitas, de forma independente, pelos próprios responsáveis”, finaliza Barillari.

Revista InFoco

Revista In Foco. Uma revista que vai te deixar informado sobre tudo que esta acontecendo na cidade do Rio de Janeiro.

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: