Em cartaz no Teatro Glauce Rocha, “Blackbird” terá intérprete de libras e audiodescrição na sessão do dia 3 de novembro

Montagem dirigida por Bruce Gomlevsky dialoga sobre pedofilia de maneira responsável e humana, sem ser unilateral, preconceituosa ou sensacionalista

 

 

Foto: Divulgação

BlackBird do escocês David Harrower está em cartaz no Teatro Glauce Rocha,  às 19h, de sexta a domingo, até dia 12 de novembro. Dirigida por Bruce Gomlevsky, peça que conta com Viviani Rayes, Yashar Zambuzzi e Nínive Kienteca no elenco, faz parte da Ocupação Glauce de Portas Abertas.

Com 5 temporadas bem sucedidas nos teatros cariocas, montagem é inspirada em um caso real de pedofilia  abordando um tema de caráter social, ético e moral, através de um homem de 56 anos e uma jovem de 27, que se reencontram quinze anos depois de terem tido uma relação amorosa, quando ela tinha apenas 12 anos de idade e ele, 41. 

Um drama que discute sobre as consequências, em longo prazo, do abuso sexual, o amor entre pessoas de idades diferentes, os instintos sexuais versus os padrões éticos e morais que temos em nossa sociedade.

 

“O realismo de que a montagem está adequadamente investida foca todas as atenções nos diálogos. A peça se passa em um container abandonado de trabalho, com muito lixo, pé direito baixo e atmosfera claustrofóbica. A luz é quente, tudo converge para a oposição entre o ponto de vista de Ray e o de Una por sobre a mesma história e o que poderá acontecer a partir dali”. – Rodrigo Monteiro (Crítico teatral e jurado do Prêmio APTR).

 

SINOPSE: 

Inspirado em um caso real de pedofilia, traz o reencontro de um homem e uma mulher que viveram caso polêmico quando ela tinha 12 anos e ele 41. Agora eles estão cara a cara para um acerto de contas. O que será que eles têm a dizer um ao outro?

O texto tem a força de desafiar o público a expandir a sua definição de amor como também interrogar os limites éticos e morais. Qualquer um que já tenha vivido um relacionamento e esse amor foi interrompido, como um casamento que terminou em divórcio amargo, entenderá o desafio dos personagens, através dos segredos e autoenganos, tentando compreender o passado para que eles possam seguir em frente.

Perguntado do que a peça tratava, o autor apenas limitou-se a responder:

 

“Eu tenho consciência de que estamos diante de um terreno minado e perigoso, pois todos nós sabemos que esse tipo de relacionamento não deve acontecer. Mas foi muito importante para eu deixar esses dois personagens numa sala, juntos e sozinhos, para dizer qualquer coisa que quisessem um ao outro, sem censurá-los. E eles podem e têm esse direito. Porque são as duas únicas pessoas que sabiam exatamente como se sentiam e o que eles de fato queriam”.

 

FICHA TÉCNICA:

Elenco: Viviani Rayes, Yashar Zambuzzi, Nínive Kienteca

Texto: David Harrower

Tradução: Alexandre J. Negreiros

Direção: Bruce Gomlevsky

Direção de Produção: Viviani Rayes

Produção Executiva: Yashar Zambuzzi

Cenário: Pati Faedo

Figurinos: Ticiana Passos

Iluminação: Elisa Tandeta

Trilha Original: Marcelo Alonso Neves

Assessoria de Imprensa: Minas de Ideias

Programação Visual e Fotografias: Thiago Ristow

Fotos de Cena: Thaissa Traballi

Idealização: Te-Un TEATRO

Produção e Realização: Rayes Produções Artísticas

 

SERVIÇO

Horários: De sexta a domingo, 19h,

Temporada: De 6 de outubro até 12 de novembro.

A apresentação do dia 03 de novembro terá intérprete de libras e audiodescrição.

Preço: R$30,00 (inteira) e R$15,00 (meia)

Duração: 80 min

Gênero: Drama

Classificação: 16 anos

Local: Teatro Glauce Rocha – Av. Rio Branco, 179 – Centro – Tel: 2220 – 0259

Link de videohttps://www.youtube.com/watch?v=c5XzlbBf_bk

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: