Dia do Imigrante Italiano: Que tal relembrar seus antepassados descobrindo mais sobre suas origens?

Dia 21 de fevereiro é o Dia do Imigrante Italiano

 

Porto de Gênova
Foto: Edna Rocha

Instituída em 2008, a data tem o intuito de homenagear o maior movimento migratório internacional da história do país e remete à chegada do navio La Sofia em Vitória (ES) em 1874 – o que marca o início do processo de migração em massa de italianos para o Brasil. O vapor partiu no dia 3 de janeiro de 1874 do porto de Gênova e chegou ao Brasil no dia 21 de fevereiro de 1874 com a primeira leva de imigrantes italianos, composta por 380 famílias. 

Atualmente, o Brasil abriga cerca de 30 milhões de descendentes de italianos, o que representa a nação com a maior quantidade de pessoas com alguma ligação com o país europeu e que podem requerer a cidadania italiana. Tantas pessoas participaram desse fluxo migratório que ocorreu entre os séculos 19 e 20, que hoje temos muitas influências italianas em nossa cultura e em nossos costumes. 

Muitos italianos vieram ao Brasil para trabalhar nas lavouras de café e depois nas fábricas em São Paulo. Foi uma via de mão dupla, porque de um lado a Itália tinha muitas pessoas buscando trabalho em outros países por motivos econômicos e socioculturais e o Brasil precisava de mão de obra, pois naquele contexto não se podia mais contar com a mão-de-obra escravizada.

Nesse cenário, a imigração era estimulada pelos governos, assim como era uma solução de sobrevivência para as famílias italianas. Isso explica porque cerca de 7 milhões de italianos saíram do país entre os anos de 1860 e 1920.

Foto: Edna Rocha

Em cartazes e propagandas, o governo convidava que os italianos viessem morar no Brasil com suas famílias, com a seguinte frase na campanha: “Venham construir os seus sonhos com a família. Um país de oportunidade. Clima tropical e abundância. Riquezas minerais. No Brasil vocês poderão ter o seu castelo. O governo dá terras e utensílios a todos”. 

Muitos de nós, brasileiros, somos a continuação genética dessa história. E você já ouviu histórias de seus ancestrais italianos? Você sabia que já é capaz descobrir detalhes de sua origem e história de seus antepassados sem nem sair de casa? Isso já é possível por meio de testes de mapeamento genético. Eles identificam marcadores genéticos espalhados pelo DNA de cada pessoa e, em seguida, comparam com os marcadores genéticos de diferentes povos. 

O meuDNA Origens é o teste de ancestralidade com o maior número de populações, em que são consideradas 88 povos ao redor do mundo. O teste traz a  possibilidade de conhecer a história do seu DNA até oito gerações anteriores, o equivalente aos bisavós dos tataravós. Ele gera resultados detalhados e oferece conteúdos exclusivos sobre a cultura e as tradições de cada região, assim como a chegada dos povos ao nosso país. 

Outra forma de se conectar com as suas origens italianas, se você fizer parte dos 30 milhões de descendentes, é fazendo o reconhecimento da sua cidadania. Para auxiliar nesse processo, o meuDNA se uniu à maior empresa de Cidadania Europeia do Brasil, Cidadania 4U. Juntas,  as empresas oferecerão descontos de 20% nos testes meuDNA (Origens, Saúde, Premium e Bochechinha).

Todos terão a oportunidade de saber de onde vieram seus antepassados e se reconectar com sua história. Assim como Carlos Alberto Tavolaro, que teve ajuda da Cidadania 4U para conseguir sua dupla cidadania, “a cidadania na idade que estamos não é só para nós, é para os nossos filhos, para que eles possam ter acesso ao mundo sem muitas dores de cabeça, sabe? Poder trabalhar e fazer uma pós-graduação, ou viver por lá tendo livre acesso. E também por honra ao nosso patrono”. 

dia 21 de fevereiro é uma forma de homenagear esse povo ancestral de parte dos brasileiros e reconhecer a importância dos legados histórico, social e cultural que nos deixaram.

O meuDNA Origens é o único teste focado no público brasileiro e que analisa até 8 gerações anteriores, o que representa os bisavós dos tataravós. O teste identifica as variações genéticas espalhadas pelo DNA de cada pessoa, e compara com as variações características de diferentes povos e catalogadas em um extenso banco de dados. São consideradas 88 populações ao redor do mundo. Os resultados, que podem levar até seis semanas para saírem, também vêm acompanhados de informações sobre a história e cultura de cada povo.

 

Por Growth Comunicações

Revista InFoco

Revista In Foco. Uma revista Eletrônica que vai te deixar informado sobre diversos eventos. Fique Ligado!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *