Isaquias chega ao Rio pensando nas férias. Medalhistas do boxe celebram conquistas da modalidade

Canoísta baiano dedica ouro a Jesus Morlán, ex-técnico falecido em 2018. Trio do boxe (Hebert Conceição, Beatriz Ferreira e Abner Teixeira) espera que medalhas inspirem as novas gerações

 

Abner Teixeira, Bia Ferreira do boxe e os campeoes olimpicos Isaquias Queiroz da canoagem e Hebert Conceicao do boxe posam para fotos no Centro de Treinamento do Time Brasil no Rio de Janeiro. FOTO: DANIEL RAMALHO/ COB.

Só faltou o Olodum para a festa ser completa. Os baianos Hebert Conceição (ouro/até 75kg), Beatriz Ferreira (prata/até 60kg) e Abner Ferreira (bronze/até 91kg), medalhistas do boxe, e Isaquias Queiroz, ouro na canoagem (C1/1.000m), visitaram o CT Time Brasil na manhã desta quarta-feira, dia 11, onde participaram de coletivas de imprensa e ações com parceiros/patrocinadores. O ‘comitê olímpico baiano’, como brincou o canoísta, celebrou as conquistas no Japão e falou dos planos para o próximo ciclo, que é mais curto, com apenas três anos até os Jogos de Paris 2024.

 

“Não me lembra de Paris, não”, brincou Isaquias. “Quero descansar um pouco, viajar com a minha família, aproveitar um pouco das férias ao lado deles. Meu objetivo era essa medalha de ouro, eu tinha certeza de que iria brigar pelo título olímpico. Queria representar o cara que mudou a canoagem do Brasil, pelo que fez não só comigo, mas com todos: o Jesus Morlán”, completou o baiano, dono de quatro medalhas (duas pratas e um bronze nos Jogos Rio 2016), referindo-se ao técnico falecido em 2018.

 

Pensando no ciclo para a França, Isaquias mira duas medalhas para se tornar o maior medalhista olímpico do país de todos os tempos (Robert Scheidt e Torben Grael possuem cinco). 

Já a ‘nobre arte’ voltou com três medalhas na bagagem. Se a campanha extremamente positiva surpreendeu os brasileiros, o resultado não foi uma surpresa para os pugilistas medalhistas, como disse Abner Teixeira. “Tivemos um ciclo bem consistente de resultados. Sabíamos que a gente ia chegar lá e que a medalha não ia ser surpresa, mas que nós íamos surpreender bastante gente”.

 

Bia Ferreira exaltou a união da equipe e espera que os resultados ajudem a fazer a modalidade crescer ainda mais. O campeão olímpico Hebert lembrou das medalhas dos Jogos anteriores e fez questão de dividir o mérito da conquista.

 

“Temos uma sintonia muito boa, espero que a gente possa trazer cada vez mais resultados. Que essas medalhas inspirem a base, aqueles que estão vindo, que possam aproveitar e dar alegrias aos brasileiros”, frisou Bia. “As medalhas de Londres 2012 e Rio 2016 ajudaram muito, com certeza, influenciaram muita gente e foram fundamentais para o desenvolvimento do boxe. Somos de um esporte individual, mas a medalha é resultado do trabalho de toda uma equipe”, completou Hebert.

 

 

Por Divulgação COB

Revista InFoco

Revista In Foco. Uma revista Eletrônica que vai te deixar informado sobre diversos eventos. Fique Ligado!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *