Xixi na cama: confira causas e tratamentos

Médica Silvana Deodato apresenta dicas práticas para as famílias que passam pela chamada ‘enurese noturna’

 

Foto: Divulgação

Como diferenciar o período de adaptação do desfralde da enurese noturna? O famoso ‘xixi na cama’ tira o sono de muitos pais. Enurese é a perda de urina involuntária durante o sono em crianças a partir dos cinco anos de idade”, Silvana Deodato. Para ajudar os cuidadores nesse processo, Silvana lançou o livro: O menino que dormia na banheira – Uma história sobre xixi na cama.

 

  • Quais são os tipos existentes? Pode ser classificada em enurese noturna primária, quando a criança nunca ficou seca por um período maior que seis meses e enurese noturna secundária, quando ocorre após um período de mais de seis meses que a criança esteve seca à noite. Também pode ser classificada em ‘monossintomática, se a perda urinária noturna é o único sintoma e ‘não monossintomática’, quando existem outros sintomas associados, como urgência miccional, hesitação e alteração do jato e frequência, por exemplo.
  • Quais são as principais causas e como é feito o diagnóstico? É um distúrbio heterogêneo, tendo como causa a incompatibilidade entre a produção noturna de urina e a capacidade de armazenamento da bexiga, complicada pela incapacidade de acordar. Isso pode ocorrer por questões anatômicas do aparelho urinário, atraso do controle miccional e distúrbios hormonais, por exemplo. Predisposição genética e distúrbios respiratórios do sono e obstrução das vias aéreas superiores são fortes fatores de risco. O diagnóstico é feito através da história clínica, exame físico e, se necessário, exames complementares, como análise da urina, exame para descartar outras doenças, como diabetes, por exemplo. Também é utilizado o diário miccional, para tentar identificar a frequência e o volume urinário, além da ingestão de alimentos líquidos e sólidos durante o dia.
  • Quais são os tratamentos existentes? Medidas comportamentais podem ser implementadas, como evitar líquido em excesso no período noturno, estimular a criança a urinar mais vezes durante o dia. O tratamento de primeira linha é o alarme miccional, mas também dependendo do caso pode-se usar alguns medicamentos. Algumas vezes é necessário a combinação destes. Muitas crianças que sofrem também de constipação, uma vez tratadas desse problema, apresentam melhora também da enurese.
  • Quando é necessário procurar um médico e começar um tratamento? E o que a família pode fazer para ajudar a criança nesse processo? A partir dos cinco anos de idade já não é considerado normal a criança fazer xixi na cama, mas pode-se aguardar até os sete anos para iniciar o tratamento. É fundamental que a família tenha paciência, compreenda e ajude a criança a entender que é um problema, mas que tem tratamento. Não dar bronca ou repreendê-la, pois ela não tem culpa e isso pode piorar o processo. 
  • A enurese noturna pode ter uma causa emocional? Não necessariamente, mas a própria condição acaba trazendo algum transtorno emocional, constrangimento, baixa autoestima, o que leva a piora do quadro. Entretanto, pode-se observar que algumas situações como abuso sexual, problemas familiares dentre outras podem agravar e/ou alongar o processo de tratamento.
  • Como identificar se é físico ou psicológico? Através da história clínica e exame físico e identificação de possíveis problemas psicossociais no contexto da criança.
  • Acordar a criança para fazer xixi no meio da noite costuma funcionar? Pode funcionar, já que geralmente essas crianças têm dificuldade para despertar.
  • Voltar a usar fralda é uma solução? Depende da idade da criança. Se por exemplo a criança está na faixa dos 5 aos 7 anos e ela mesma não se sente constrangida a voltar ao uso da fralda, pode amenizar o desgaste. Porém, não é o mais aconselhado.
  • Como a literatura pode ajudar as famílias a lidarem com o problema? Através da sensibilização, da abordagem do problema de forma lúdica e descontraída.Ter contato com o tema através dos livros, por exemplo, pode ajuda-las a não sofrerem com o problema, a olharem para os colegas com enurese de forma mais empática e respeitosa.

 

Foto: Divulgação

 

 

Antes de se formar médica, a escritora Silvana Deodato trabalhou como cuidadora de crianças em creche o que lhe confere bagagem teórica e prática sobre o assunto. Como sempre teve interesse em unir a medicina e a escrita, escreveu a obra lúdica que aborda de forma leve e descontraída o aprendizado sobre um dos maiores desafios apresentados na primeira infância. Silvana revela as causas e dicas de como tratar o problema.

 

 

 

 

Por LC – AGÊNCIA DE COMUNICAÇÃO

 

Revista InFoco

Revista In Foco. Uma revista Eletrônica que vai te deixar informado sobre diversos eventos. Fique Ligado!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *