GATOS NO MUSEU, um filme fofo e que fala sobre a amizade, chega aos cinemas nesta quinta-feira, 10 de agosto

Por Edna Rocha

 

Aproveite o lançamento do filme e que na terça, dia 8 de agosto, foi Dia Internacional do Gato, data criada por organizações de defesa dos animais, em conjunto com a International Fund for Animal Welfare (IFAW),  e adote um felino, pois esses são fofos e companheiros, merecem um lar seguro e humanos amorosos para cuidar deles, e você ainda vai se apaixonar

 

Foto: Divulgação

Nesta quinta, dia 10 de agosto, estreia o filme “Gatos no Museu”. A animação russa, cuja autoria é de Gerry Swallow, autor de “A Era do Gelo 2”, dirigida por Vasiliy Rovenskiy, é baseada na história real dos felinos que vivem no Museu Hermitage, em São Petersburgo, protegendo as obras de arte. O filme, repleto de fofuras, que fala sobre o valor da amizade sem preconceitos e com base em um relacionamento de confiança, te faz refletir sobre quem você é, e com quem quer se relacionar, onde quer estar, onde é seu verdadeiro lar, além de te fazer viajar pelas obras de arte, numa linguagem aprazível e que as crianças possam entender. 

Uma animação, onde o jovem gato ruivo chamado Vincent, que nasceu em alto mar, até que um dia uma tempestade o derrubou do navio e ele foi parar numa ilha deserta, e acabou dividindo uma mansão abandonada com um cachorro, e um rato, mas sem muita interação. Depois de alguns anos, um acidente causado pela natureza destrói sua casa particular, mas o ruivo acaba sendo salvo da inundação pelo rato chamado Maurice e acaba voltando para o mar, em um velho piano, nascendo assim uma grande amizade. E quando estavam à deriva, os marinheiros pegam o piano, e assim vão parar no Museu Hermitage, em São Petersburgo. Lá, ele conhece um esquadrão felino de elite, no Museu que protege as obras de arte de ratos e outras pragas há séculos. 

No meio de tanta aventura, Vincent acaba libertando um fantasma do museu, que há muito tempo estava preso dentro de um vaso. Um fantasma misterioso e que não se sabe a origem, mas Vincent acaba entendendo que esse espectro estava perdido, decide ajudá-lo a voltar para casa e encontrar seu lugar, e assim acaba nascendo uma amizade. 

Mesmo com tanta confusão e curtição, pois esses bichanos tem uma personalidade forte e só fazem o que querem, nosso ruivo gatinho arruma tempo para se apaixonar pela misteriosa Cleópatra. A musa do museu, que é uma amante da arte, mas foi mal aproveitada. Ela poderia ter sido envolvida nas aventuras dos guardiões do museu, mas ficou mais como a “gata do museu”, que foi par romântico do herói da história

Vincent sonha em encontrar uma verdadeira família felina, mas não quer perder seu amigo Maurice, ele então, terá que esconder esse amigo, que também tem uma pequena fraqueza – Maurice adora roer obras de arte. A situação se complica ainda mais quando uma das maiores pinturas da humanidade, a Mona Lisa, chega ao Museu, e o ratinho quer manter o nome da família, que roeram diversas obras raras. Porém, Vincent acaba mudando o foco do rato, pois um bom amigo te ajuda a refletir sobre seus erros, até mudar costumes, e querer melhorar, que passa a trabalhar para o museu. Mas nem Vincent, nem Maurice, nem os gatos do Museu Hermitage suspeitam que a pintura será roubada. E assim, acabam se unindo para desmascarar um ladrão de arte, resolver esse mistério e salvar a obra-prima de Da Vinci. 

Não deixe de embarcar nessa aventura!

 

Confira o trailer

Revista InFoco

Revista In Foco. Uma revista Eletrônica que vai te deixar informado sobre diversos eventos. Fique Ligado!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *