Brasília Amarela do Mamonas Assassinas é atração da 8ª edição do Encontro Brasileiro de Autos Antigos (EBBA)

Evento em Águas de Lindóia, que acontece entre os dias 8 e 11 de junho, aberto ao público, vai homenagear os cinquentões Brasília, Maverick, Chevette e Dodge Polara

 

Foto: Divulgação

O ano de 2023 é um marco histórico e nostálgico para o automobilismo brasileiro. Há cinco décadas, ícones ganharam as ruas e cravaram suas marcas no repertório nacional da indústria automobilística. A Brasília, o Maverick, o Chevette e o Dodge Polara se tornam cinquentões este ano e serão homenageados na 8ª edição do Encontro Brasileiro de Autos Antigos (EBBA) de Águas de Lindóia 2023, que acontece entre os dias 8 e 11 de junho, com visitação gratuita. Uma das atrações do evento é a Brasília Amarela de rodas gaúchas da banda Mamonas Assassinas.

Mascote do quinteto, o veículo que ainda está no nome do vocalista  Alecsander Alves, o Dinho, foi estrela do clipe da música “Pelados em Santos”. Depois de permanecer alguns anos abandonado em um ferro velho, o carro foi resgatado pela família de Dinho e restaurado para ficar do mesmo jeito de quando era usado pelo cantor. Dinho comprou a Brasília 77 do ex-sogro e customizou o automóvel, com para-choques de outros veículos e bancos cobertos por estampa animal print.

A Brasília Amarela estará exposta na 8ª edição do Encontro Brasileiro de Autos Antigos (EBBA) de Águas de Lindóia 2023 e poderá ser conferida pelo público visitante. O evento terá atrações variadas e vai receber, em um espaço de quase 70 mil metros quadrados, ao menos 1.000 carros para exposição e venda, no jardim da Praça Adhemar de Barros, e público estimado de 500 mil visitantes. 

O carro lendário dos Mamonas, cujos integrantes morreram em um acidente de avião em 1996, é um dos exemplares de um projeto bem sucedido e emblemático da Volkswagen, um dos poucos hatches do mercado tratado pelo pronome feminino. Foram necessários três anos e ao menos 40 protótipos até a Brasília chegar ao mercado, em 1973. O Volkswagen Brasília foi batizado para homenagear a nova capital brasileira, criada 13 anos antes. 

Segundo carro projetado e construído fora da matriz alemã, o primeiro foi o SP2, a Brasília era uma adaptação do Fusca para o mercado nacional, com mais espaço e mais moderno. José Vicente Martins e Márcio Piancastelli são responsáveis pelo modelo final do veículo. Ele chegou a ser exportado para a Nigéria, batizado de Igala, e para o México. Participou inclusive de um episódio do seriado mexicano “Chaves”, como o carro do Senhor Barriga. Com mais de 1 milhão de unidades produzidas, 130 mil exportadas, saiu de linha em 1982, substituída pelo Gol. 

 

Chevette

Revolucionário e moderno, o Chevette foi lançado em 1973 com a plataforma do Opel Kadett, que estava na quarta geração na Europa. No decorrer dos anos, o carro ganhou várias versões, como hatch, quatro portas, GP, GPII, Júnior e até a série Jeans, com revestimento do tecido nos bancos e painéis das portas e bolsos nas laterais dos encostos. Em 1983, o Chevette foi o carro mais vendido do país. Ele chegou a ser fabricado com cinco marchas manuais e também com câmbio automático, em 1985. Saiu de linha em 1993, com mais de 1,6 milhões de unidades produzidas, dando lugar ao Corsa.  

 

Maverick 

O Maverick foi criado para fazer frente ao Chevrolet Opala, unindo conforto e esportividade. Mas enfrentou problemas já no ano de seu lançamento, em 1973. O motor pesado do Jeep Willys e a transmissão do Aero Willys se revelaram problemáticos, sem entregar o desempenho prometido. O carro ganhou novas versões, como GT, cupê e quatro portas. Seis anos depois, a história do Maverick chegou ao fim, com 110 mil unidades fabricadas. O sucesso, entretanto, veio com o tempo. Hoje o Maverick é item de colecionador, amado e desejado pelos fãs, um dos carros antigos mais valorizados do mercado com status de clássico da indústria nacional. A picape lançada em 2022 com seu nome registrou 300 unidades vendidas em apenas 24 horas e 1.382 ao longo do ano. 

 

Dodge Polara

A Dodge chegou ao Brasil em 1967 quando o Grupo Chrysler comprou as operações da Simca. Em 1973, de olho no mercado de compactos, a empresa lançou o sedã 1800, com defeitos crônicos, como falhas no carburador, na transmissão, nos freios e na direção. O carro chegou a ser chamado de “1800 problemas”. A Chrysler anunciou melhorias e um programa de garantia total três anos depois, quando rebatizou o carro de Dodge Polara. Em 1981, o veículo parou de ser fabricado, com pouco mais de 92 mil unidades produzidas, após a Volkswagen adquirir as operações da Chrysler no Brasil. Assim como o Maverick, o Dodginho, como passou a ser chamado, virou estrela com o tempo. Hoje é cultuado junto com outros nacionais da marca, como o Dart e o Charger.

 

Muitas atrações

Além de carros que contam a história do automobilismo brasileiro, o Encontro Brasileiro de Autos Antigos deste ano terá muitas atrações, com 450 estandes com peças para restauração, memorabília, miniaturas colecionáveis, camisetas personalizadas, brinquedos antigos, antiguidades em geral, praça de alimentação completa com mais de 1,5 mil metros quadrados, entre outras. O evento vai homenagear os 50 anos da Brasília, 50 anos do Maverick, 50 anos do Chevette e 50 anos do Dodge Polara. 

A oitava edição do EBAA terá as tradicionais premiações dos modelos destaques do evento, do brilho perfeito, a esperada batalhas dos construtores, vai premiar os clubes que mais se destacarem, contará com a maior feira de peças, antiguidades e artigos para restauração da América Latina, lendas do automobilismo nacional, shows e apresentações variadas. Também faz parte da programação da 8ª edição do EBAA, a realização, em parceria com o Circuito de Leilões, do 3º Grande Leilão de Veículos Antigos de Águas de Lindóia.

 

Serviço

8 º Edição de Encontro de Autos Antigos
Local: Águas de Lindóia (SP)
Datas: 08 à 11 de junho

 

 

Por Betini Comunicação

Revista InFoco

Revista In Foco. Uma revista Eletrônica que vai te deixar informado sobre diversos eventos. Fique Ligado!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *