Páscoa: quais os riscos associados ao consumo excessivo de chocolate por crianças e adolescentes?

Doce tradicionalmente associado ao período de Páscoa precisa ser consumido com moderação, sobretudo por crianças e adolescentes. Conheça os riscos e benefícios do produto e suas variações

 

Entre os diferentes tipos de chocolate, o mais saudável é o amargo que possui quantidades de cacau maiores
Foto: Envato Elements

Páscoaé uma data esperada por muita gente, especialmente por crianças ansiosas pela visita do coelhinho e seus apetitosos presentes. A tradição secular segue intacta, mas em uma sociedade cada vez mais antenada a questões de saúde muitas pessoas têm questionado os riscos do consumo excessivo de chocolate por parte destes jovens. E não se trata de uma preocupação vazia: pais e responsáveis podem e precisam ficar atentos ao consumo excessivo destes doces, sobretudo neste período festivo.

Órgãos de saúde tem recomendações específicas sobre o tema: segundo o Ministério da Saúde e a Sociedade Brasileira de Pediatria, não é recomendado o consumo de chocolates e outros tipos de produtos contendo açucares refinados até os 2 anos de idade. Acima desta idade, é indicado que crianças comam até 25g do produto por dia, o equivalente a 5% das calorias diárias ingeridas em uma dieta recomendada a alguém nesta faixa etária, algo próximo a 40g de chocolate ao leite, por exemplo.

A nutróloga credenciada da Paraná Clínicas, Dra. Bianca Ohde Dalledone (CRM 36.125), explica os riscos associados ao consumo excessivo de chocolate por crianças e adolescentes: “O açúcar refinado, um ingrediente muito comum nestes alimentos, possui alto impacto na saúde cardiovascular destes jovens, aumentando o risco do desenvolvimento de obesidade, diabetes, hipertensão arterial e alteração nos níveis de colesterol, tanto ao longo da infância como na vida adulta”, conta. Outro problema menos óbvio destacado pela médica é que o consumo exagerado de alimentos ricos em açúcar pode influenciar negativamente o desenvolvimento do paladar da criança, uma consequência altamente prejudicial ao seu estado nutricional: “Ela terá maior resistência a consumir alimentos que não apresentem estas características”,explica.

Um estudo publicado no “International Journal of Obesity” em 2017, indicou que o consumo frequente de alimentos ricos em açúcar, como o chocolate, está relacionado à obesidade e ao aumento do índice de massa corporal (IMC) em crianças e adolescentes. Outra pesquisa divulgada no “Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism”, em 2018, apontou que o excessivo consumo de açúcar refinado pode levar a um crescimento dos níveis de insulina no organismo, aumentando o risco de desenvolvimento de diabetes tipo 2.

Diante deste cenário, é importante que pais e responsáveis saibam tanto dosar o consumo, quanto escolher o tipo de chocolate mais adequado à criança: “O chocolate é um alimento muito calórico e rico em gorduras, principalmente o chocolate ao leite e branco. Seu consumo em excesso pode levar não apenas à restrição do paladar e à má nutrição, mas também influenciar no aumento de peso e desenvolvimento de doenças crônicas associadas à obesidade. Já o chocolate amargo, apesar de não ser o mais apetitoso ao paladar infantil, costuma apresentar uma concentração de cacau entre 50% e 100% e é o mais indicado. Quanto maior o teor de cacau, menos gordura e açúcar são adicionados, deixando-o mais puro e rico em nutrientes”, afirma Bianca.

 

  • Benefícios do chocolate

Mas não são só de riscos à saúde que é feito o chocolate. O cacau, ingrediente fundamental da em sua composição, é rico em fitoquímicos, substâncias antioxidantes e anti-inflamatórias que atuam na prevenção de doenças cardíacas a partir do controle da pressão arterial e dos níveis de colesterol, principalmente quando presente em níveis acima dos 70%. Além disso, eles podem fortalecer o sistema imunológico e auxiliar na regulação hormonal.

Longe de ser um vilão, o chocolate pode ser benéfico se consumido em quantidades adequadas e já há pesquisas que atestam tais benefícios. Segundo a Dra. Bianca, parte do segredo é associar o consumo do doce à prática de atividades físicas entre os infantes: “Além de ser um excelente meio de estimular o convívio social das crianças e adolescentes, a atividade física regular impacta positivamente em diversas funções do organismo, como controle da pressão arterial, metabolismo de açúcares e gorduras, funcionamento intestinal e qualidade do sono e humor. Além disso, uma prática regular de exercícios contribuiu para a manutenção do peso adequado durante seu desenvolvimento e crescimento”, completa.

 

  • Palavra da especialista: quais as principais características diferenças entre os tipos de chocolate?

CHOCOLATE AMARGO
“É considerado aquele com maiores concentrações de concentração de cacau, variando entre entre 50% e 100. São os mais saudáveis por possuírem menor quantidade de manteiga de cacau (gordura) e açúcar, deixando o mais puro e rico em nutrientes”.

CHOCOLATE AO LEITE
“Contém os mesmos ingredientes que o chocolate amargo, mas com adição de leite e menor concentração de cacau. Por consequência, tem maior adição de açúcar e gordura, deixando-o menos saudável”.

CHOCOLATE BRANCO
“Não leva cacau em sua composição, sendo constituído apenas por açúcar, gordura e leite. Seu consumo não proporciona benefício algum à saúde. É o mais contraindicado de todos”.

 

Sobre a Paraná Clínicas

Fundada em 1970, a Paraná Clínicas é referência em planos de saúde empresariais e também atua na modalidade coletivo por adesão. Carrega a missão de cuidar com excelência de empresas e pessoas, oferecendo como diferencial os programas de saúde preventiva e promoção de qualidade de vida. Com uma infraestrutura moderna e planejada em uma rede interligada, a Paraná Clínicas conta com sete unidades próprias em Curitiba e Região Metropolitana, chamadas de Centros Integrados de Medicina: CIM Araucária; CIM CIC – 24h; CIM Fazenda Rio Grande; CIM Rio Branco do Sul; CIM São José dos Pinhais; CIM Unidade Infantil – 24h (ao lado do Hospital Santa Cruz) e CIM Água Verde. Mais informações em panaclinicas.com.br

 

 

Por Grupo Excom

Revista InFoco

Revista In Foco. Uma revista Eletrônica que vai te deixar informado sobre diversos eventos. Fique Ligado!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *