UFC® 283: TEIXEIRA x HILL – uma noite marcada pelas despedidas de Glover Teixeira e Maurício Shogun, e a estreia de Brunno Ferreira

Por Edna Rocha

 

Glover Teixeira
e Jamahal Hill
Foto: Edna Rocha

Na nossa vida, a experiência serve para sabermos o momento de parar e não seguir em frente, pois a vivência nos deu esse aprendizado. Já a juventude nos faz querer sempre mais e ir com garra atrás dos sonhos, pois estamos em constante mudança e construindo nossa identidade. E no esporte é parecido. O UFC® 283: TEIXEIRA x HILL, realizado na Jeunesse Arena, zona Oeste do Rio de Janeiro, ficou marcado na memória dos fãs do UFC. Na madrugada de sábado, dia 21 de janeiro, para domingo (22), a lenda Maurício Shogun, que já havia declarado, se aposentou do esporte, enfrentando Ihor Potieria. E Glover Teixeira, surpreendeu o público, pois ao término de sua luta com Jamahal Hill, anunciou sua despedida do MMA, e jogou as luvas no centro do octógono. Uma noite onde o estreante brasileiro Brunno Ferreira, o “Hulk”, carimbou sua marca e venceu Gregory RodriguesBrandon Moreno, que disputava o cinturão com o brasileiro Deiveson Figueiredo, o dominou, e o mexicano se sagrou o novo campeão pelo peso-mosca.

 

“Com muita honra, eu vou me aposentar junto com o Shogun. Eu paro hoje!”, exclamou Glover Teixeira e jogou as luvas no centro do octógono. 

 

Glover Teixeira
e Jamahal Hill
Foto: Edna Rocha

Após uma batalha de cinco ROUNDS, Jamahal Hill, que disputou o cinturão com Glover Teixeira, venceu, e é o novo campeão do peso meio-pesado. Ovacionado pelo público, o brasileiro Glover Teixeira, não desistiu em nenhum momento. E ao final do confronto, Clover disse que,  para sua própria saúde, mesmo sendo muito forte, não dava mais para ele e era hora de parar. Por ele, faria igual na época do Ryan Gracie, lutaria até cair, mas não está conseguindo acertar os caras e sua velocidade não é mais a mesma. Então, iria fazer igual ao Shogun, e se aposentar também.

Glover Teixeira, que gostaria de lutar até os 50 anos, não costuma planejar as coisas. No dia 18/01, no Media Day, Teixeira disse que se fosse para se aposentar, gostaria que fosse com a vitória e com cinturão, mas ele não estava pensando em aposentadoria ainda. E essa pessoa humilde e disciplinada, que curte e vive o momento presente, viu que aquele era o seu momento de parar, e o fez. Ele, que diz que devemos acreditar e buscar nosso sonho, já realizou alguns sonhos: lutar com o Jon Jones, comprar sua casa e montar sua academia, ainda continua vivendo seus sonhos. 

 

“Se a gente tem um sonho, a gente não pode ficar perdendo tempo, enrolando, ou com outras coisas. Tem que trabalhar e buscar esse sonho, sempre. Sempre! Não pode ficar parado, brincando com a vida. É isso que eu falo, cair para dentro todo dia”, resumiu Glover Teixeira.

 

Deiveson Figueiredo e Brandon Moreno
Foto: Edna Rocha

A outra disputa pelo cinturão, pelo peso-mosca, Brandon Moreno dominou Deiveson Figueiredo e se sagrou o novo campeão. Com um golpe de esquerda, o mexicano machucou o olho Figueiredo no terceiro round, que teve dificuldade para seguir de igual. No intervalo, o médico que checou o olho do brasileiro, declarou que ele estava impossibilitado de continuar. Deixando o público revoltado, que começou a gritar “Juiz ladrão”. Com o resultado, Moreno ficou com vantagem, pois venceu duas, das quatro lutas contra Deiveson.

 

“Eu sou grato a Deus por tudo que Deus me ajudou a conquistar, me fez conquistar”, Mauricio Shogun.  

 

Mauricio Shogun e Ihor Potieria
Foto: Edna Rocha

Por nocaute  técnico, Ihor Potieria venceu Mauricio Shogun, no 1° round do Card Preliminar. A lenda “Shogun”,  já tinha anunciado sua aposentadoria e esperava sair com a vitória, em sua noite de despedida, mas não deu. Maurício Shogun, que no Brasil começou no Meca Fighting Championship (antigo Meca World Vale-Tudo) e tem muito orgulho de sua carreira, disse que se sentia realizado e que esse sábado era a hora de parar. A lenda, que nunca desistiu e sempre foi insistente, disse que é importante que esses eventos continuem no Brasil. Shogun falou que esse é um esporte desgastante, mas o mais importante é fazer aquilo que você ama e não desistir nunca.

Mauricio Shogun e Ihor Potieria
Foto: Edna Rocha

 

E lenda, é lenda! Parecia até uma partida de futebol, pois desde sua chegada a arena, até o momento que deixou o espaço, o público o aplaudia. Apoteótico! Quando Shogun começou no esporte, nunca pensou em deixar um legado, e sim fazer aquilo que amava, que era lutar. E esse legado, que está deixando é consequência do seu trabalho. 

 

 

 

“Então, o legado que eu estou deixando é uma consequência de eu ter feito aquilo que eu amo há muito tempo”, resumiu Shogun.

 

Brunno Ferreira e Gregory Rodrigues
Foto: Edna Rocha

Enquanto Glover Teixeira e Mauricio Shogun, encerravam esse ciclo em suas vidas, o peso-médio e estreante do UFC, o brasileiro Brunno Ferreira, “Hulk”, que vem da luta agarrada, judô, jiu-jitsu, e foi chamado de última hora para esse card, com um golpe de esquerda, nocauteou seu compatriota Gregory Rodrigues, ainda no primeiro round. Ele, que já visava entrar no maior palco de MMA do mundo, – que é o UFC, disse que é preciso ser completo. Ele explicou que não adianta ser especialista numa área só. E ele acredita, que sua evolução vem lá de trás, pois era muito cru, só sabia levar para o chão e finalizar.

 

Brunno Ferreira e Gregory Rodrigues
Foto: Edna Rocha

 

E depois de apanhar muito, entendeu que era importante aprender a parte em pé. E nada melhor do que aprender com grandes nomes do esporte. Há muito tempo, ele, que veio para nocautear, já queria estrear no UFC.  E iria dar o seu melhor, vendendo uma grande guerra. Brunno, que já esta acostumado a pegar as lutas em cima da hora, assim que recebeu o convite, já começou a treinar sua mente. 

 

 

“Eu cheguei, né?! Cheguei via contêiner! Me apresentei muito bem! Impressionei! E acredito, cara, que se depender de mim, a partir de agora, eu pretendo vender uma guerra. Pretendo caminhar os passos do UFC, a minha nova casa. Com certeza! Feliz!!! Fazer o meu melhor, sempre dando o meu melhor. Vendendo o meu estilo de guerra, o meu estilo agressivo, sendo eu. Ser eu, ser em todas as lutas. E passo a passo, um passo de cada vez”, resumiu Brunno Ferreitra. 

 

 

Confira as fotos:

 

 

 

Fonte: Resultados | UFC 283: Teixeira x Hill | UFC

No Card Principal, Jamahal Hill venceu Glover Teixeira por decisão unânime (50-44, 50-44, 50-44), Brandon Moreno venceu Deiveson Figueiredo por nocaute técnico (interrupção médica) aos 5m do 3° round, Gilbert Durinho venceu Neil Magny por finalização (triângulo de mão) aos 4m15s do 1° round, Jéssica Andrade venceu Lauren Murphy por decisão unânime (30-25, 30-25, 30-26), Johnny Walker venceu Paul Craig por nocaute técnico aos 2m16s do 1° round.

E no Card Preliminar, Ihor Potieria venceu Mauricio Shogun por nocaute técnico aos 4m05s do 1° round, Brunno Ferreira venceu Gregory Rodrigues por nocaute aos 4m13s do 1° round, Thiago Moisés venceu Melquizael Costa por finalização (mata-leão) aos 4m05s do 2° round, Gabriel Bonfim venceu Mounir Lazzez por finalização (guilhotina) aos 49s do 1° round. 

Já nas Preliminares UFC Fight Pass, o Jailton Almeida venceu Shamil Abdurakhimov por nocaute técnico aos 2m56s do 2° round, Cody Stamann venceu Luan Lacerda por decisão unânime (29-28, 29-28, 29-28), Ismael Bonfim venceu Terrance McKinney por nocaute aos 2m17s do 2° round, Nicolas Dalby venceu Warlley Alves por decisão dividida (29-28, 28-29, 29-28), Josiane Nunes venceu Zarah Fairn por decisão unânime (29-28, 29-28, 29-28) e Daniel Marcos venceu Saimon Oliveira por nocaute aos 2m18s do 2° round.

 

 

 

Revista InFoco

Revista In Foco. Uma revista Eletrônica que vai te deixar informado sobre diversos eventos. Fique Ligado!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *