Romance policial estabelece a percepção da conexão entre sonhos e realidade

Ambientada na ilha de Creta, na Grécia, trama de Ricardo Carvalhaes Fraga incorpora arte, filosofia e mitologia ao propor reflexão existencialista sobre a solidariedade

 

Foto: Divulgação

Assombrado pelo passado, o pintor impressionista Pablo Diaz passa a viver isolado em um sítio na ilha de Creta, na Grécia, e se envolve com a mística e com a natureza paradisíaca do local. Suas pinturas, repletas de cores, contrastam com uma existência conflituosa e seus vícios. O protagonista do livro Cores e Pesadelos: Cena de um Crime de Ricardo Carvalhaes Fraga é a peça fundamental de um jogo misterioso que inclui ganância, solidariedade e princípios éticos.

A incorporação de temáticas como filosofia, arte, mitologia e religiosidade traz essência existencialista à obra narrada por Pablo, um homem atormentado pelo passado. Na trama, a rotina nebulosa, porém, pacata, do pintor toma um rumo inesperado a partir de um encontro com um misterioso empresário. Essa aproximação acaba envolvendo o protagonista numa trama criminosa e provoca uma situação de perigo extremo, que o coloca como perseguido.

Ao longo da narrativa, os princípios e a conduta moral de Pablo o levam a um conflito que se estabelece a partir de uma rede de mentiras e traições. Para encontrar respostas, o artista percorre caminhos que se entrelaçam em um emaranhado de analogias mitológicas, envoltas em suas próprias contradições, que o levam a situações de risco.

O livro tem todos os requisitos para ser apreciado por leitores de romances clássicos de Agatha Christie e das análises filosóficas de Friedrich Nietzche. A percepção niilista da personagem Ekaterini, com quem Pablo acaba se envolvendo, o induzem à tomada de decisões, e ele passa a agir na busca de uma saída que o livre de seus pesadelos reais e imaginários.

Para que alcançar uma realização se o que existe de mais autêntico é o processo de construção?
Tudo será destruído ou modificado, e algum dia será desprezado. Aquilo que é material torna-se
fundamentalmente ilusório,como as sombras de uma caverna platônica. Depois de todo o processo
de construção, o velho quadro será colocado em algum canto da parede e permanecerá inerte, talvez por décadas,
até ser descartado como um corpo humano sem vida. O que deixa de existir, na realidade, nunca existiu.
(Cores e Pesadelos: Cena de Um Crime, p. 31)

 

No enredo, fica evidente que tomar decisões adversas aos próprios ideais, mesmo com a intenção de fazer o bem, pode desencadear situações inesperadas. Durante a narrativa, o leitor coloca-se em uma posição de expectativa.

Ricardo Carvalhaes Fraga é professor titular na Universidade Federal Fluminense, com mestrado e doutorado em USP e Unicamp, respectivamente. Já publicou mais de uma centena de artigos no Brasil e no exterior, publicou vários livros e ministrou palestras no Brasil e em outros países. É pintor pós-impressionista e expressionista e dedica-se aos estudos da filosofia.

 

Ficha técnica

Título: Cores e Pesadelos: Cena de Um Crime
Autora: Ricardo Carvalhaes Fraga
Editora: Autografia
ISBN/ASIN: 978-85-518-4238-6
Páginas:
 160

Formato: 15,5 x 23cm
Preço: R$ 51,00
Onde encontrar: AmazonAmericanasSubmarinoShopTime e com frete grátis no Facebook do autor ou pelo e-mail ricardocfraga@gmail.com

23

Foto: Divulgação

Doutor em Odontologia e professor universitário, Ricardo Carvalhaes Fraga se dedica atualmente aos estudos de filosofia contemporânea. Depois de mais de 30 anos de docência, palestras ministradas no Brasil e no exterior, livros e artigos científicos publicados na área da saúde, passou a dedicar-se à arte e aos estudos em diversos assuntos das ciências humanas. Tornou-se escritor e pintor expressionista. Um de seus livros publicados recentemente é “Crônicas da Tirania”.

Redes sociais do autor

 

 

Por LC Agência de Comunicação

Revista InFoco

Revista In Foco. Uma revista Eletrônica que vai te deixar informado sobre diversos eventos. Fique Ligado!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *