Piero Sbragia lança livro sobre as novas fronteiras do documentário contemporâneo

Maria Augusta Ramos, Susana Lira, Orlando Senna e Eduardo Escorel são alguns dos entrevistados 

 

Foto Divulgação Primeiro Plano

Um país que carece de documentário é como uma família que carece de um álbum de fotografias”. Assim Piero Sbragia, jornalista, documentarista, professor e fundador da produtora Segundas Estórias Filmes, começa o livro Novas Fronteiras do Documentário: Entre a Factualidade e a Ficcionalidade, lançado durante a pandemia de covid-19, que está à venda no link. A frase, logo no princípio da obra, é atribuída ao renomado documentarista chileno Patricio Guzmán. É a essa tarefa de resgatar a memória que o lançamento se dedica.

 

“Gosto de pensar o documentário como manifesto de resistência”, afirma Sbragia em suas páginas.  

  

 

Especializado em Cinema Documentário e mestre em Educação, Arte e História da Cultura, o autor concebeu a ideia diante da escassez de livros sobre documentário. Mais raros ainda são os registros com depoimentos de cineastas da área. O novo trabalho discute a tendência contemporânea de romper a divisão rígida entre factual e ficcional. O livro traça um panorama da produção, ao longo do século XXI, através de uma análise sobre a forma como os gêneros cinematográficos apresentam uma convergência. Também reúne entrevistas inéditas e exclusivas, realizadas entre janeiro e março de 2020, com 10 documentaristas brasileiros de relevância mundial da Bahia, São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul.    

Para o livro, o artista Gidalti Jr., vencedor do Prêmio Jabuti de melhor HQ em 2017 por “Castanha do Pará”, produziu caricaturas exclusivas para cada um dos entrevistados. São eles: Amanda Kamanchek (“Chega de Fiu Fiu”), Cristiano Burlan (“Elegia de Um Crime”, “Mataram Meu Irmão”), Eduardo Escorel (“Imagens do Estado Novo 1937-45”, “O Tempo e o Lugar”), Eliza Capai (“Espero Tua (Re)volta”, “O Jabuti e a Anta”), Geraldo Sarno (“Sertânia”, “Viramundo”), Juca Badaró (“As Cores da Serpente”), Maria Augusta Ramos (“Não Toque em Meu Companheiro”, “O Processo”), Orlando Senna (“Longe do Paraíso”, “Iracema – Uma Transa Amazônica”), Paula Trabulsi (“O Incerto Lugar do Desejo”, “Imagem da Tolerância”) e Susanna Lira (“Torre das Donzelas”, “Clara Estrela”).   

A diretora de “O Processo” e da Trilogia da Justiça, Maria Augusta Ramos, cita referências ficcionais de Robert Bresson, Yasujiro Ozu e Michelangelo Antonioni em sua filmografia documental. Já Orlando Senna relata os perigos de se tentar documentar o real, citando o caso de tortura de um documentarista durante a Ditadura Militar no Brasil e a censura de seu filme “Iracema – Uma Transa Amazônica”. Montador de filmes emblemáticos como “Terra em Transe” e “Cabra Marcado Para Morrer”, Eduardo Escorel alerta para os riscos de se negar a realidade. Susanna Lira manifesta a sua intenção de fazer filmes como forma de resistir e defende uma linguagem mais ousada nos documentários.    

Esses e outros relatos estão no último capítulo do livro. A publicação, de 484 páginas, é dividida em três partes. As duas primeiras são baseadas na dissertação de mestrado “Andarilho: Cao Guimarães e o documentário entre a factualidade e a ficcionalidade”. A pesquisa discute diferentes definições do gênero, a partir da perspectiva de Guimarães. Sbragia também assina a direção dos curtas-metragens “Descobrir: Os Criadores de Saci” (2014), “Em Refúgio, um documentário sobre possibilidades” (2018), feito em parceria com a ONU, e “Uma Bala” (2018), sobre o assassinato de Marielle Franco. Criou com Eduardo Escorel e Juca Badaró o canal do Youtube “3 em Cena“, onde debatem questões pertinentes ao cinema e à sociedade.  

 

Ficha Técnica:  

Título: “Novas Fronteiras do Documentário:  Entre a Factualidade e a Ficcionalidade”  

Autor: Piero Sbragia  

ISBN: 978-989-52-7498-7  

Páginas: 484  

Preço: R$46 disponível em: https://linktr.ee/Fronteiras / R$41,40 (preço promocional de lançamento até 31/08 e frete fixo R$6 para todo Brasil) disponível em: http://www.estantechiado.com.br/pd-7A61C7.html   

Fotografia da capa: Armando Vernaglia Junior   

Ilustrações: Gidalti Jr., vencedor do Prêmio Jabuti de melhor HQ em 2017  

Coleção: Mais que Mil Palavras  

Ano de lançamento: 2020  

Editora: Chiado Books  

 

 

Sinopse:
Sem a pretensão de ser um manual cinematográfico, Novas Fronteiras do Documentário: EntreFactualidade e a Ficionalidade é uma ferramenta para fugir dos dogmas que limitam o processo criativo. Como dizia o poeta Manoel de Barros, precisamos transver o mundo para transfigurar a realidade.

Piero Sbragia discute o documentário contemporâneo como obra que rompe a divisão rígida entre factual e ficcional. Apresenta também um panorama sobre o documentário produzido no século XXI, e amplia a obra com 10 entrevistas inéditas e exclusivas de documentaristas brasileiros revolucionários e provocadores da produção subjetiva.Temos aqui um encontro que desconserta para ressignificar.

 

 

 

 

Créditos Primeiro Plano

Revista InFoco

Revista In Foco. Uma revista Eletrônica que vai te deixar informado sobre diversos eventos. Fique Ligado!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.