Mauro Marcondes Homenageia Guimarães Rosa em “Cantoria de Bazar”

A Homenagem ainda conta com a participação do Quarteto de Cordas Radamés Gnatalli

 

 

Foto: Divulgação

Mauro Marcondes lançou em todas as plataformas digitais o álbum “Cantoria de Bazar”, que é composto de quatorze músicas em parceria com Zéjorge, autor – dentre tantas belas músicas – de “Serafim e seus filhos” (dele e Ruy Maurity). Abre o CD, um prelúdio composto por Bernardo Marcondes, um violonista erudito que vive nos Estados Unidos. “Cantoria de Bazar” tem no universo de Guimarães Rosa sua linha condutora, que se amplia com outros temas que tratam da emoção humana.  Também não deixa de ser uma homenagem ao cinquentenário de morte do grande escritor brasileiro. Produção Executiva Solange Böeke que contou com o apoio de Paulo César Feital. Gravado e mixado nos estúdios da Alcateia Audiovisual, contou no comando da mesa com o craque Marcio Lyra. A masterização ficou por conta do excelente Luiz Tornaghi, do estúdio Batmastersom. 

A direção musical e os arranjos são assinados pelo Maestro Leandro Braga que emprestou seu talento de pianista e arranjador para abrilhantar a obra do compositor Mauro Marcondes. O CD contou, ainda, com a participação de músicos excelentes, como o João Gaspar, na guitarra e violões de náilon e de aço, Rodrigo Villa, nos baixos acústico e elétrico, Christiano Galvão, na bateria, André Siqueira, na percussão, Quarteto Radamés Gnattali, nas cordas, Jessé Sadoc e Marcelo Martins, nos sopros, o gaúcho   Luciano Maia, no acordeon, Rodrigo Bis, na rabeca e Márcio Almeida (Hulk), no cavaquinho. Em algumas músicas o coro de belas vozes se faz ouvir: Ninah Jo, Telma Tavares, Marcio Lott e Marcello Furtado. Os amigos também estiveram presentes no estúdio e ajudaram a formar o coro de rua no samba final, assim como as meninas Katarina e Victoria encantam em “Caixinha de Surpresa”.

Mauro Marcondes compõe desde muito jovem influenciado pelos compositores da bossa-nova e pela música de Milton Nascimento, Edu Lobo Chico Buarque, Dori Caymmi e de tantos outros mestres da música nacional. Aos 17 anos participou do IV Festival Universitário da extinta TV TUPI e foi construindo uma carreira de compositor, conciliando-a com a do profissional da área de desenvolvimento econômico, trabalhando no BNDES.  Realizou shows no MAM com jovens cantores, e teve apresentações dirigidas pelo maestro Antônio Adolfo. Participou do MPB-80 da Rede Globo, com a música “Como se Fosse”, em parceria com Caito, com belo arranjo da maestrina Célia Vaz e defendida pela cantora   baiana Jace.

A produção independente do CD autoral do compositor e cantor Mauro Marcondes resgata uma dimensão desconhecida do executivo e homem público dedicado, nas últimas três décadas, às atividades de planejamento governamental e de execução de políticas públicas voltadas ao desenvolvimento do País e de integração da América do Sul.  

Por: Divulgação

Revista InFoco

Revista In Foco. Uma revista que vai te deixar informado sobre tudo que esta acontecendo na cidade do Rio de Janeiro.

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: