20 anos sem Caio Fernando Abreu – “Como era bonito lá!”

A atriz Nara Keiserman volta a homenagear o escritor e amigo em espetáculo no Sesc Copacabana

Foto:  Matheus Soriedem
Foto: Matheus Soriedem

Virgem com ascendente em Libra e Lua em Capricórnio. A partir do mapa astral do escritor Caio Fernando Abreu, feito pela astróloga Cláudia Lisboa, foi concebido, pela atriz Nara Keiserman, o espetáculo “Como era bonito lá!”, que estreia na Sala Multiuso do Sesc Copacabana, no próximo dia 5 de julho, para uma temporada de apenas duas semanas – de terça a quinta-feira –, às 20h. A apresentação faz parte de uma série de homenagens do Sesc ao escritor gaúcho em seus 20 anos de morte.  

Caio Fernando Abreu, nasceu Santiago do Boqueirão, RS, em 1948, e morreu em Porto Alegre, RS, 1996. Contista, romancista, dramaturgo, jornalista. Muda-se para Porto Alegre em 1963 e no mesmo ano publica seu primeiro conto “O Príncipe Sapo” na revista Cláudia. A partir de 1964 cursa Letras e Arte Dramática na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), mas abandonou ambos os cursos para dedicar-se ao jornalismo. Ele faleceu no mesmo dia em que Mário de Andrade: 25 de fevereiro. Entre os livros de contos publicados, tem-se “Inventário do Irremediável”, “O Ovo Apunhalado”, “Pedras de Calcutá”, “Morangos Mofados”, “Os Dragões não conhecem o Paraíso”, “Ovelhas Negras”, “Estranhos Estrangeiros”. Publicou ainda romances “Limite Branco” e “Onde Andará Dulce Veiga?”, as novelas “Triângulo das Águas” e crônicas “Pequenas Epifanias” e “Teatro Completo”.

Nara é atriz, diretora, pesquisadora e professora na Escola de Teatro da UNIRIO. Atriz e cofundadora do Núcleo Carioca de Teatro (1991 – 2001), dirigido por Luís Artur Nunes. Diretora artística do grupo Atores Rapsodos (desde 2000). Preparadora Corporal e Diretora de Movimento da Companhia Pop de Teatro Clássico (desde 1999), no Rio de Janeiro e amiga de Caio Fernando Abreu desde a juventude. Ela voltou aos palcos justamente para homenageá-lo, ano passado, com a peça “No se puede vivir sin amor”, cujo texto trazia um poema e cartas escritas por ele para ela. Mas agora, em “Como era bonito lá!”, o monólogo de Nara mais parece um diálogo, uma vez que ela “conversa” com Caio por meio de fotos, áudios, vídeos, textos e cartas deixados pelo escritor. “Estou, mais uma vez, honrando a memória do meu amigo. Ele é o ator principal do espetáculo; e essa grande amizade e admiração foram a motivação para a minha volta aos palcos”, emociona-se Nara, que está feliz também pela oportunidade de trabalhar em família. Em “Como era bonito lá!”, o marido, Demetrio Nicolau, é o responsável por direção, trilha sonora e iluminação; enquanto o filho Cristiano de Abreu cuida da edição de vídeo e videografismo. 

Já a opção por estruturar o texto a partir do mapa astral de Caio Fernando Abreu tem outra motivação. Ele conhecia bem a astrologia e costumava traçar o mapa astral das personagens que criava. O interesse pela metafísica, pelo esoterismo, pelas filosofias orientais e pela astrologia integrava a experiência pessoal do escritor, que levava tudo isso para sua obra. Foi pensando nisso que Nara teve essa ideia e convidou a astróloga Cláudia Lisboa, também amiga de longa data, para uma parceria. 

 “Para mim, ‘Como era bonito lá!’ tem a ver com como era bonito acender um incenso, falar sobre os comentários da D. Emy, nossa mestra na Astrologia,  mesclar Nara e Caio na minha vida, tudo tinturado pelo brilho das estrelas e astros que sempre nos acompanharam. ‘Como era bonito lá!’ fala de um tempo poético e trágico. De amor e descida às profundezas da alma. De dor e alegria. Sim, como era bonito lá”, afirma astróloga Cláudia Lisboa.

FICHA TÉCNICA:

Textos: Caio Fernando Abreu

Direção, Iluminação e Trilha Musical: Demetrio Nicolau

Roteiro e Atuação: Nara Keiserman

Cenário e Figurino: Carlos Alberto Nunes

Edição de Vídeo e Videografismo:  Cristiano de Abreu

Mapa Astral: Cláudia Lisboa

Orientação Musical: Alba Lírio

Maquiagem: Mona Magalhães

Arte: Maravilha Criações

Consultoria de Vídeo: Gustavo Gelmini

Fotos: Sandra La Porta

Assessoria de Imprensa: Sheila Gomes

Produção: Sandra La Porta e Maravilha Criações & Produções Artisticas Ltda

Realização: Atores Rapsodos

SERVIÇO:

Nara Keiserman – “Como era bonito lá!” – inéditos de Caio F.

Dias: 5,6,7,12,13 e 14 de julho (de terça a quinta-feira)

Horário: 20h

Local: Sala Multiuso –  Sesc Copacabana

Endereço: R. Domingos Ferreira, 160 – Copacabana

Tel.: 2547-0156

Preços

R$ 20 (inteira)

R$ 10 (meia-entrada)

R$ 5 (associados Sesc)

Capacidade: 80 pessoas

Classificação: 16 anos

Duração: 60 minutos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.