Zezé e Luciano falam da emoção de desfilar na Sapucaí

 

Foto: Edna Rocha
Foto: Edna Rocha

A Escola de Ramos, subúrbio do Rio de Janeiro, homenageou Zezé di Camargo e Luciano no carnaval 2016, conquistando a comunidade e os fãs da dupla com o Enredo “É o Amor que mexe com minha cabeça e me deixa assim. Do sonho de um caipira nascem os filhos do Brasil”.

Zezé di Camargo jamais imaginou um dia receber tamanha homenagem. “Um sonho tão impossível de acontecer, quase uma utopia na vida da gente.”

Luciano Camargo conta que desde o dia em que foi informado sobre a homenagem vivia e respirava “Imperatriz”. O sertanejo estava se preparando emocionalmente para viver a experiência que sabia ser única em sua vida, “pois depois restariam apenas as cenas desse sonho em meu pensamento”. Uma emoção diferente daquela que sentiu com o filme “II Filhos de Francisco” Luciano conta que se disfarçava e ia para o cinema somente para ver a reação das pessoas, “assim pude explorar minhas emoções de diversas formas”.

A família Camargo mal consegue descrever toda a emoção que sentiu em fazer parte do desfile. Emanuel, irmão da dupla, disse que o coração parecia sair pela boca e a sensação foi fantástica. Seu Francisco o “homem de fé”, ficou abismado com a quantidade de pessoas na Sapucaí e disse que o coração era muito forte para aguentar toda aquela emoção.

Júnior Leite Foto: Edna Rocha
Júnior Leite
Foto: Edna Rocha

A ideia de trazer o “Sertanejo” para avenida já estava sendo conversada entre o empresário de Mato Grosso, Júnior Leite (amigo da dupla e da família Drumond) e o “Luizinho e Paola Drumond”, pois o ritmo é originalmente brasileiro e seria uma novidade. O presidente Luizinho já tinha autorizado avançar com o projeto e a amizade com a dupla facilitou esse casamento.

Júnior Leite contou que na quarta-feira de cinzas do carnaval do ano passado, ao escutar uma música sertaneja, pensou que ao invés de homenagear o “ritmo” poderia homenagear “Zezé e Luciano” e eles seriam ótimos representantes da música caipira. Conversou com Zezé, já que Luciano estava em viagem. Júnior fez o convite para o amigo sertanejo. Zezé quis saber qual era a Escola. Quando soube, aceitou na hora mesmo sem consultar o irmão, pois sabia que Luciano estaria de acordo. E assim começou toda a saga da Imperatriz em trazer os “dois filhos de Francisco” para a Sapucaí.

O enredo foi inspirado no filme “II Filhos de Francisco”. Contou toda a trajetória dos artistas e como a fé foi capaz de mudar a vida de um homem. Foi preciso mostrar que o sertanejo não veio para tomar o lugar do Samba, mas como o próprio Zezé diz, veio para “Sambanejar”. E é com esta humildade que Júnior conduziu o “matuto sonhador” ao mundo do Samba. “É uma satisfação enorme ter um pedaço de mim nesta história”, diz o emocionado Júnior.

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: